Trabalho sobre “A CARIDADE”

Bom (oa) dia/tarde/noite a todos.

Recentemente me foi solicitada a apresentação de um trabalho sobre um tema cuja aplicação torna-se extremamente necessária em nossos dias: A CARIDADE. Já realizei um sobre a Esperança, agora só falta sobre a Fé, para completar os degraus da Escada de Jacó.

Reuni informações internas e diversas informações externas, coletadas aqui e acolá – conforme bibliografia ao final. Tentei não ser prolixo, resumi o máximo que pude para que o texto não perdesse o sentido. Porém, mesmo assim, o texto ficou extenso para ser apresentado em apenas sete ou oito minutos, o tempo que dispunha para tanto. Qualquer parte que dele fosse retirada, afetaria o resultado final. Por não dispor de projetor e telão, o que certamente cativaria a atenção daqueles a quem destinada a mensagem, optei por colocar o texto no Blog, para consulta daqueles eventualmente interessados.

O tema é muito bonito e eclético. Creio oportuno e necessário em nossos dias.

Convido todos aqueles que lerem o trabalho, a manifestar sua opinião. Utilizem o campo destinado a comentários abaixo do texto no Blog e acrescentem algo que queiram dizer. Vamos tentar fazer algo diferente e colocar experiências, opiniões, sensações, vivências, sugestões, ainda que divergentes. Todos somos livres para fazê-lo, além do que temos o dever de tolerância e fraternidade, que deve partir antes de tudo de nossos corações, afinal, ambos são manifestações do amor-caridade, não são?

Apenas para adicionar: inicialmente, não coloquei no trabalho o seguinte dado, dado acrescentado posteriormente: No Brasil, o dia 19 de julho tornou-se oficialmente o Dia da Caridade através da Lei nº 5.063, de 1966, por decreto do então presidente Humberto Castelo Branco. Ironicamente, em plena ditadura militar. Ajudar o próximo, promover a inclusão social, diminuir de alguma forma o sofrimento das pessoas, tudo isso é ser caridoso. Pratique a caridade todos os dias!

Bom, sem mais delongas, vamos ao texto.

Boa Leitura e Até de repente!

Sidney.

A Caridade

“Caridade é, sobretudo, amizade. Para o faminto:- é o prato de sopa. Para o triste: é a palavra consoladora. Para o mau: é a paciência com que nos compete auxiliá-lo. Para o desesperado: é o auxílio do coração. Para o ignorante: é o ensino despretensioso. Para o ingrato: é o esquecimento. Para o enfermo: é a visita pessoal. Para o estudante: é o concurso no aprendizado. Para a criança: é a proteção construtiva. Para o velho: é o braço irmão. Para o inimigo: é o silêncio. Para o amigo: é o estímulo. Para o transviado: é o entendimento. Para o orgulhoso: é a humildade. Para o colérico: é a calma. Para o preguiçoso: é o trabalho. Para o impulsivo: é a serenidade. Para o leviano: é a tolerância. Para o deserdado da Terra: é a expressão de carinho.” Francisco Cândido Xavier

Caridade, uma das sete virtudes do Cristianismo e uma das três virtudes teologais.

Pode ser interpretada como “amar ao próximo como a si mesmo”. A partir desse excerto da máxima do Cristo “amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo”, podemos compreender a caridade como uma via de mão dupla, porquanto para se amar ao próximo, há a necessidade de o indivíduo amar a si mesmo. Teólogos cristãos afirmam que quanto mais o indivíduo busca respostas sobre como amar a si mesmo, maior a possibilidade de ele vir a também amar ao seu próximo.

O radical da palavra, “caritas”, deriva de “carus”, que por sua vez quer significar: de alto valor, querido, caro.

Entretanto, caridade não nasce na semântica, nem na etimologia, mas sim, do coração humano que se volta para amar o próximo sem fins de lucro ou como forma de acalmar a própria consciência perante o que nos rodeia. Significa o mesmo que Ágape (amor fraternal, desinteressado).

O compendio do catecismo da Igreja Católica afirma ser essa virtude, “o vínculo da perfeição (Cor. 13,14) e o fundamento das demais virtudes, que ela anima, inspira e ordena”

A caridade tem o seu dia: 19 de julho, instituído pela Lei nº 5.063 de 04.07.1966, você sabia? Seja qual for a resposta, pergunto: o que podemos comemorar?

Bom, passando ao que interessa, o que eu realmente gostaria que fosse refletido intimamente por todos é a seguinte questão: “O que vem a ser realmente a caridade?”.

Cada um de nós possui uma interpretação bem pessoal quando ao seu significado, embora, de uma maneira geral achemos que seja praticar “boas ações” umas poucas vezes ao ano, como no natal, na páscoa, em campanhas para arrecadação de alimentos ou roupas. Poderia ser também dar esmola ao necessitado; Dar de comer a quem pede; Comprar uma rifa beneficente; Contribuir mensalmente e mecanicamente para a manutenção de entidades filantropicas de ajuda; Depositar um óbolo na bolsa de beneficência; Dar o que nos sobra aos carentes;

Pergunto ainda: Qual a forma como isso é feito? O é de coração? Simplesmente serve para nos dar consciência tranquila do dever cumprido como cristãos? Ou para garantirmos a indulgencia que nos levará diretamente ao Oriente Eterno? Com que frequencia praticamos a caridade?

Esses atos acima podem até ser considerados atos caritativos, mas, de forma alguma exprimem a grandiosidade desta virtude que deveria ser praticada mais amiude por todos nós. Assim da forma como acima demonstrado, será que conseguiremos atingir a “meta” de caridade esperada por Deus?

Por Deus! A caridade deve ser vivida diuturnamente, não praticada esporadicamente de acordo com a oportunidade ou a conveniência de cada um. A caridade não está em uma despensa, para ser pega, usada e devolvida. Ela tem de estar com você, em você, dentro do coração. Todas as pessoas devem ser olhadas com bons olhos, com amor, com compaixão.

A caridade não deve ser apenas material, essa é a mais fácil de ser praticada. O que devemos atentar é para a prática diária da caridade MORAL, aquela que materialmente nada custa, e não obstante é a mais dificil de ser posta em prática. Entre outras coisas, a caridade moral consiste também em saber calar quando outro mais tolo que nós não o faz; Em fazer-se de surdo quando palavra irônica escapa de boca habituada a caçoar; Em desconsiderar o sorriso desdenhoso que por vezes se recebe de pessoas que se consideram superiores às outras; O não se incomodar com as faltas alheias também é uma modalidade de caridade. Uma não deve impedir a prática da outra. As duas se necessitam e se complementam.

Chico Xavier

Dois preceitos que se encontram presentes em todas as religiões, em toda a moral, deveriam ser cantados como mantras diários em nossas vidas: “Amarmos uns aos outros” e “fazer ao próximo o que gostaríamos que nos fosse feito”. Se assim nos policiassemos e agíssemos, não mais haveria ódio, ressentimentos, cobiça, inveja, guerras, enfim, os “pecados”, as “picuinhas diárias”, os vícios seriam encerrados em masmorras profundas.

Na Biblia – O Livro Sagrado adotado pela maior parte do Ocidente – há uma passagem em que o apóstolo Paulo, em carta aos Corintos, exprime sucintamente e de forma maravilhosa o que vem a ser a verdadeira caridade: permitam-me substituir apenas a palavra amor, pela palavra caridade (caridade é talvez a manifestação suprema do amor). O texto não perde o sentido, pelo contrário, fica tão belo quanto o original. Vejamos:

Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse caridade, seria como o metal que soa ou como o sino que tine”.

“E ainda que tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência e ainda que tivesse toda a fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse caridade, nada seria.”

” E ainda que distribuísse toda a minha fortuna para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse caridade, nada disso me aproveitaria”.

“A caridade é sofredora, é benigna; a caridade não é invejosa; não trata com leviandade; não se ensoberbece”.

“Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal. Não folga com a injustiça, mas folga com a verdade”.
“Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta”.
“Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e a caridade. Mas a maior destas é a caridade” (Paulo, I Coríntios, cap. XIII, vers. 1 ao 13).

Reflitam: “a maior destas é o amor” (ou caridade).

Agora, vamos nos permitir um pequeno exercício: Vamos analisar o texto, trecho a trecho e tentar obter o entendimento, a sublime sabedoria desses lindos versículos. Evidente que cada um terá seu próprio entendimento, o explicitado abaixo é a forma singela como consegui interpretar.

“Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse caridade, seria como o metal que soa ou como o sino que tine”.

Este trecho é um alerta: De que vale a beleza da palavra, se ela vier desacompanhada de atitudes. Essa atitude vem da mudança íntima, necessária a todos, do desbaste de nossa pedra bruta, da luta constante contra as imperfeições. Se não acontece essa mudança, ocorre o barulho do sino que tine, a atenção é despertada, mas a modificação necessária de corações e inteligências a que se direciona a palavra não ocorrerá.

“E ainda que tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência e ainda que tivesse toda a fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse caridade, nada seria.”

Alguém que tenha conhecimento espiritual e que tenha fé, não é necessariamente um indivíduo caridoso. Quanto mais sabemos, maior nossa responsabilidade perante a vida. Aquele que tem o conhecimento deve acima de tudo, buscar a humildade para servir ao seu semelhante. A fé, em si não é sinônimo de caridade, pois desacompanhada de obras. Por mais que tenhamos fé em um Princípio Supremo e ainda em nossas forças, se não praticarmos o que acreditamos, o que cremos, e dermos o bom exemplo, nada seremos.

“E ainda que distribuísse toda a minha fortuna para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse caridade, nada disso me aproveitaria”.

O ato de ajudar nosso semelhante materialmente, é importante, desde que essa ajuda seja totalmente desinteressada, devemos ser irmãos daqueles que socorremos, e devemos ter como objetivo o amparo e o alivio do sofrimento alheio. A intenção nesse ponto, importa muito, se doamos, com intuito de aparecer aos outros, ou como forma de alivio, de nada vale, e corre o risco de ser ainda pior do que não houvéssemos ajudado, porquanto, ao não observarmos a intenção, nosso semelhante pode sentir-se humilhado. Nesse mesmo sentido, a auto-punição, o auto-castigo, é desnecessário, devemos sim sufocar nossas más tendências, aquilo que é verdadeiramente a causa de muitas de nossas vicissitudes.

“A caridade é sofredora, é benigna; a caridade não é invejosa; não trata com leviandade; não se ensoberbece”.

A caridade nos faz entender as dificuldades e os obstáculos da vida, que devem ser vencidos com resignação para que possamos progredir espiritualmente. A bondade passa a ser aplicada a todos, indistintamente, independentemente do momento, os sentimentos negativos dão lugar ao perdão que é fato de enobrecimento do ser humano. Além da resignação e do perdão, a prudência deve acompanhar ao buscador da caridade, de forma a afastar a leviandade e orgulho, que  nos afastam do Criador.

“Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal. Não folga com a injustiça, mas folga com a verdade”.

A caridade busca decência e fraternidade, em um mundo onde se busca a auto satisfação. De que adianta levarmos vantagem em tudo, se nosso irmão sofre com isso. Essa dor, tende a se tornar desespero, rancor e violência, que fatalmente, nos atingirá, aos nossos filhos, ou amigos. Quando nos irritamos, deixamos de ter razão, e em razão disso, paciência e sensatez, também integram a caridade. Quando pensamos antes de agir, a justiça faz presença, nos liberta das mentiras, intrigas e dos interesses pessoais. A verdade prevalece e nos libra da ignorância.

“Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta”.

Saber esperar é próprio da caridade. Quando vemos além da vida material, nosso horizonte ilumina, o que nos mantém vivos e animados. O caminho do equilíbrio, que a caridade nos lega, nos faz buscar esclarecimentos na sabedoria, nos afastando do desespero.

“Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e a caridade. Mas a maior destas é a caridade” ( Paulo, I Coríntios, cap. XIII, vers. 1 ao 13).

Perceberam o que a prática da real caridade pode nos proporcionar? Mudança íntima, humildade, obras, exemplo, doação desinteressada, resignação, bondade, perdão, prudência, decência, razão, tranqüilidade, sabedoria, justiça, amor ao próximo como a si mesmo.

Paulo nos afirma, nessas poucas linhas, que a CARIDADE é um conjunto de atributos morais e intelectuais, que proporciona ao nosso Espírito ser dono de seu próprio destino.

Irmã Dulce

A caridade-amor é uma dádiva de si mesmo, é o oposto de “usar”, é um sentimento ou ação altruista, o ajudar sem esperar recompensa, é amar plenamente seu próximo, é ser benevolente, bondoso, compassivo. Não é somente um sentimento, mas sim a capacidade de agir mediante a expressão profunda do desejo de exercer o bem ao próximo, porquanto TODO ser humano, possui a fagulha divina que o anima, e, se cremos e amamos verdadeiramente a Deus, devemos reverenciá-la em nosso semelhante, indo de encontro a ele, servindo-o e amando-o como ele é. Esta deve ser, unicamente a nossa recompensa, estar presente, como se pode, junto a quem é órfão de amor.

Recentemente tivemos alguns exemplos em nosso Orbe, que dessa forma viveram: Madre Teresa de Calcutá, Irmã Dulce e Chico Xavier todos hauriram a sua capacidade de amar o próximo, de modo sempre renovado, vivenciando a experiência amorosa proporcionada do interior, um amor que, por sua natureza, foi ser ulteriormente comunicado aos outros. O amor-caridade cresce através de si. Ele provém da fagulha Divina que nos anima e a Deus nos une, transformando o indivíduo, auxiliando a desbastar nossa pedra, sempre bruta, para superar nossos preconceitos e divisões.

Esses verdadeiros avatares da humanidade nos legaram o precioso ensinamento: “quem ama o faz não apenas com palavras, mas com atitude e reverencia silenciosa”.

Ninguém espera que sejamos santos, nem o esperou o apóstolo Paulo, tampouco Jesus. O ensinamento da caridade, assim como os demais ensinamentos cristãos (sem mencionar os ensinamentos virtuosos pregados em outras doutrinas religiosas) existem de forma a proporcionar ajuda para a auto-superação. Creio que o que era e é esperado de nós, enquanto seres religiosos, e principalmente enquanto maçons, seja o esforço constante em nossa auto-análise moral, de forma que, sempre que nos percebamos fora dos atributos da caridade, possamos erguer nossa cabeça e recomeçar o caminho, sem ansiedade ou desespero, porém, a passos firmes e corajosos.

Se, como indivíduos que vivem e praticam a caridade, conseguirmos possibilitar meios para que a sociedade construa uma vida mais democrática, justa e saudável para si, sem que um ser humano não necessite viver da caridade do outro, poderemos descansar.

Acredito plenamente que seja isso que o Grande Arquiteto do Univeso espera de nós.

Madre Teresa de Calcutá

Bibliografia:

Allan Kardec – O Evantelho segundo o Espiritismo.

Biblia Sagrada – Epístola de Paulo aos Corintios

Francisco Cândido Xavier – diversas psicografias

Papa Bento XVI – Enciclica Papal – Deus caritas est (24.12.05)

Grupo Espírita Apóstolo Paulo

Elizabeth Salgado – A caridade

Wikipédia, a enciclopédia livre – verbetes “caridade”, “virtudes” e “virtudes teologais”

Diversos sites na Internet

SERVIÇO DE CARIDADE – CHICO XAVIER PELO ESPÍRITO ANDRÉ LUIZ

SERVIÇO DE CARIDADE

Auxiliemos o companheiro de luta, quanto possível

Abstenhamo-nos de maldizer onde não possamos louvar

Distanciemo-nos das idéias de vingança, quando o mal nos visite o coração

Busquemos a conciliação fraterna, ajudando, ainda mesmo de longe, àqueles que nos ofendem

Desculpemos quantas vezes se fizerem necessárias, cada dia, exercitando-nos para o verdadeiro perdão

Esqueçamos os velhos caprichos de nosso eu que, muitas vezes, nos prendem a escuras ilusões

Aprendamos com a vida para sermos mais úteis

Multipliquemos as bênçãos do serviço no campo das nossas horas, como quem sabe que o tempo é também um empréstimo inestimável da Providência Divina

E, assim procedendo, estejamos certos de que praticaremos a caridade com o próximo e conosco, de vez que, corrigindo em nós aquilo que nos aborrece- nos outros, estaremos acompanhando Jesus em nosso esforço


About these ads

Sobre omeganeo

"Três coisas agradam a todo o mundo: gentileza, frugalidade e humildade. Pois os gentis podem ser corajosos, os frugais podem ser liberais e os humildes podem ser condutores de homens."
Esse post foi publicado em Curiosidade, Maçônico, opinião e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

11 respostas para Trabalho sobre “A CARIDADE”

  1. Amilton disse:

    Belissimo !! parabens pelo trabalho, Não desanime se o eco deste trabalho não for aquele que voce esperava. Só a persistencia nos aproxima dos nossos objetivos!!!

  2. Agradeço pela oportunidade de poder apreciar um trabalho bem fundamentado e de um tema tão importante em nosso dia-a-dia. Há um edição com o título O Dom Maior – uma tradução de Paulo Coelho. Que versa sobre o mesmo tema. Que lhe seja concedido galgar os degraus da escada de Jacó. TFA

  3. Luciana Soares disse:

    Excelente Trabalho. Obrigada pela ajuda.

  4. Giovani disse:

    A caridade e a perfeição, sem ela e difícil agradar a Deus.

  5. edson coelho da silveira disse:

    parabens por este trabalho,me ajudou bastante,pois estou pesquisando este trabalho e achei voçe,muito interessante,parabens mesmo,

  6. edson coelho da silveira disse:

    parabens,a caridade é a virtude da vida, eu quis dizer que o seu trabalho me ajudou bastante, pois estava fasendo um trabalho parecido com este seu, e encontrei as respostas que estava precisando.

  7. jana disse:

    maravilhos seu trabalho!

  8. Altayde de Souza e Silva disse:

    Eu já havia apresentado um trabalho na minha loja sobre caridade, pesquisado no livro dos Espíritos e sobre o Apostolo Paulo, bem como trechos extraídos de frases de Chico Xavier. Após alguns anos depois me foi solicitado a elaboração de outra peça de Arquitetura sobre o mesmo tema. Pesquisando em caridade Maçônica encontrei o seu trabalho que muito vai me auxiliar.
    Parabéns.

    Alatyde de Souza e Silva

    Oriente de Joinville sc

  9. Adilson Paulino disse:

    Exelente trabalho, abre o coração e a mente.

  10. Adilson Paulino disse:

    Hoje é o dia oficial da caridade

  11. Cleide Costa Chaves e pertenço ao Capitulo Ideal e Trabalho das Estrelas do Oriente em Praia Grande, SP disse:

    Li seu trabalho e achei completo e magnífico. Parabéns!!!!! 10 para você!!!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s