Hamurabi; vários “livros da lei” para download

Hamurabi e seu Livro da Lei.

Babilônia, cidade localizada junto ao Rio Eufrates, que foi capital do império babilônico da Mesopotâmia meridional. Esse povoamento foi formado entre outros, pelos povos oriundos da Suméria e da Acádia, em torno do ano 3.000 a.C. Sua importância era incomensurável como centro comercial e religioso na Antiguidade.

O patriarca Abraão emigrou dessa região. Na mesma época, viveu Hamurabi, sexto rei da primeira dinastia e considerado o fundador do primeiro império babilônico, que uniu os semitas e os sumérios. Em seu governo – de 1.728 – 1.686 a.C. – proliferaram obras, dentre as quais, a restauração de templos importantes, obras públicas de relevância e a construção de muralhas para cercar a capital do império (consta que chegavam a mais de 100 metros de altura, o equivalente hoje a um edifício de 30 a 34 andares e sua largura era aproximadamente a de uma rua de capacidade para dois carros lado a lado).

Porém, sua principal contribuição, foi a implantação do mais antigo conjunto de leis morais documentadas na história, por volta de 1.700 a.C.: o “Código de Hamurabi”. Ali foram estabelecidas regras de vida, sendo atribuído pena para as infrações que se cometiam à época, à base da Lei de Talião, ou o “olho por olho”.

O Código de Hamurabi foi gravado em escrita cuneiforme acadiana em uma grande rocha de Diorito, encimada por uma gravura de Hamurabi, recebendo a estela com as leis, do próprio rei-sol Shamash, o supremo legislador (deus dos oráculos).

Sobre o monólito são dispostas 46 colunas, apresentando 282 leis, contando com 3.600 linhas. A peça mede 2,50 metros de altura e apresenta como circunferência superior 1,60 metro e 1,90 metro de circunferência em sua base.

Originalmente o código foi instalado no templo existente na cidade de Sippar, e vários outros monólitos foram espalhados por todo o reino, de forma a homogeinizar juridicamente o reino em uma cultura única.

A sociedade de então apresentava três castas distintas: Awilum– Os homens livres, pobres ou ricos; Muskênum– A camada intermediária, inclusive funcionários públicos (subalternos) e a minoria, os Escravos– prisioneiros de guerra, sendo que cada casta era apenada de forma diferenciada.

O conjunto de leis era muito variado, e servia para regular o dia-a-dia das pessoas, correspondendo hoje, a pontos de nossos códigos civil, comercial e penal. Os assuntos-chave tratados no codex eram: a lei de Talião; família, estupro, escravos, falso testemunho, roubo e receptação, agricultura, criação de gado, danos à propriedade, assassinato, morte, injúria, honorários profissionais, responsabilidade profissional, dentre outros.

Hamurabi afirma na última parte do código, que as leis foram criadas para que “o forte não prejudique o mais fraco, a fim de proteger as viúvas e os órfãos” e “para resolver todas as disputas e sanar quaisquer ofensas”.

Não se tolerava a alegação de ignorância da lei, visto que ela estava à vista de todos (embora a maioria não soubesse ler, exceção aos escribas). Não se admitia o pedido de desculpas, ou explicações para erros ou falhas. Uma vez acionado o sistema legal, o caso era julgado e a punição devidamente aplicada.

Interessante o fato de que uma vez acionado o judiciário, as penas deveriam ser fixadas por escrito, porém, uma vez desfavorável, o apenado ainda poderia apelar ao rei.

O monólito, gravado, encontra-se em ótimo estado de conservação e foi encontrada por uma expedição francesa no ano de 1901, encabeçada pelo arqueólogo Jacques de Morgan, na região correspondente à cidade de Susa, antiga Mesopotâmia – atual Irã – para onde o mesmo foi deslocado em razão das inúmeras invasões a que sofreu o país e a fim de preservá-lo da destruição.


Atualmente encontra-se assentado junto ao museu do Louvre, em Paris, e foi totalmente traduzido pelo abade francês Jean Vincent Scheil, que também participou da expedição.

Diz-se que as leis contidas na estela, são derivadas de tradição anterior, tiradas do antigo direito sumério, porém, este é o primeiro conjunto legislativo, fundamentado na Lei de Talião, que estabelecia o apenamento em relação ao crime perpetrado. Existiram outras coleções de leis, como os códigos de Ur Nammu, rei de Ur (por volta de 2.050 a.C), bem como o código de Eshnunna (1.930 a.C.) e ainda o código de Lipit-Ishtar de Isin (1.870 a.C.), porém destes últimos só nos chegaram fragmentos até os dias de hoje.



Confiram a seguir os “Livros da Lei” de diversas culturas, inclusive o de Hamurabi, exposto acima. Baixem à vontade, clicando sobre a imagem do livro desejado e repassem gratuitamente a quem se interessar. Ainda faltam para incluir na lista abaixo, o Mahabharata do bramanismo, todos os Vedas do Hinduismo, livros do Sikhismo, os analectos de Confucio e ainda o Zend Avesta, dentre outros, que tentarei incluir numa próximam postagem.

Igualmente, se voce dispuser de algum livro da lei que não esteja listado abaixo e puder compartilhar, eu agradecerei imensamente e atualizerei esta lista.

Se você gostar da leitura de algum dos livros abaixo, recomendo veementemente que o adquira em sua forma original. Afinal, é a melhor forma de estimular o autor a continuar produzindo suas obras. Na minha modesta opinião, nada substitui o livro impresso!

Babilonia:

Código de Hamurabi

Judaísmo (antigo testamento) e Cristianismo:

Biblia Sagrada (trad. João ferreira Durão)

Judaísmo:

Torah

Torah

Islamismo:

Alcorão

Taoismo:

Tao Te Ching

Hinduismo:

Bhagavad Gita

Fé Bahá’i:

Kitab I Aqdas

Kitab I Iqan

Espiritismo Kardecista:

Evangelho segundo o espiritismo

Tibetano:

Bardo Todol (Livro dos Mortos Tibetano)

Antigo Egito:

Livro dos mortos do antigo Egito

Mórmons:

O livro de Mormon

Boas leituras e,

Inté de repente!

Sobre omeganeo

"Três coisas agradam a todo o mundo: gentileza, frugalidade e humildade. Pois os gentis podem ser corajosos, os frugais podem ser liberais e os humildes podem ser condutores de homens."
Esse post foi publicado em Curiosidade, DIFUSÃO DE CULTURA, Esotérico, esoterismo, Livros, RELIGIÃO e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

3 respostas para Hamurabi; vários “livros da lei” para download

  1. Danilo Vagner disse:

    É muito bom saber que existem verdadeiros humanos dispostos a ajudar a estudantes como eu!!!!
    Acho que faltou a tábua de esmeralda de Hermes Trimesgistos!
    Muito grato por existir e que o universo sempre conspire a seu favor pois vc e ele é um só msm né? auhahuhs…Toda paz pra tí!!!

  2. Obrigado por disponibilizar esse material, já possuía alguns, mas tem coisa aqui que minha vã filosofia nem sonhava.

    • omeganeo disse:

      seja bem vindo, irmão de Caminho. Estou prometendo com certa frequencia retormar as postagens, mas é complicado pelas demandas que aparecem na vida de todos nós, não é mesmo? Mas vou tentar ser mais assíduo e postar mais material para todos vocês.
      Abraços fraternos.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s